sábado, 15 de agosto de 2015

Lula já teme que Polícia Federal não tenha Fair Play nas investigações da obra da Arena Corinthians

Lula já teme que Polícia Federal não tenha Fair Play nas investigações da obra da Arena Corinthians


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

O palestrante milionário e ilustre torcedor corinthiano Luiz Inácio Lula da Silva ficou preocupadíssimo, a partir de ontem, com o estouro da Operação Fair Play, inicialmente deflagrada pela Polícia Federal para apurar indícios de, no mínimo R$ 42 milhões 825 mil nas obras feitas pela Odebrecht na Arena Pernambuco. O medo concreto de Lula é que uma devassa policial semelhante aconteça na construção do "Itaquerão" - a Arena Corinthians - empreendimento que contou com seu apoio pessoal, sobretudo para a liberação de crédito por bancos privados e pelo BNDES, mesmo que isto seja insistentemente negado, de forma oficial, pelo clube, pela empreiteira e pelo Instituto Lula (especializado em negações).

A revista Exame chegou a publicar uma matéria, em 2014, revelando que o Corinthians pagaria R$ 1,170 bilhão pelo estádio, sendo R$ 400 milhões do BNDES, R$ 420 milhões dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs) e R$ 350 milhões do empréstimo recente. A reportagem ressaltava que o clube ainda não sabia como e onde iria conseguir dinheiro para bancar o custo dos empréstimos (R$ 750, entre BNDES e Caixa). Ainda de acordo com a Exame, pelo cronograma de pagamento, seriam R$ 59,3 milhões no primeiro ano (2015), R$ 101,3 milhões entre 2016 e 2027, e R$ 84,4 milhões em 2028, totalizando R$ 1,4 bilhão.    

Logo em seguida, o Corinthians e a Odebrecht soltaram uma nota oficial contestando a Exame: "O Sport Club Corinthians Paulista e a Odebrecht Infraestrutura gostariam de esclarecer equívocos da matéria ‘Itaquerão – O maior mistério da Copa, publicada na edição da Revista Exame do dia 28 de maio de 2014. Ao contrário do que diz a reportagem, o custo total do estádio ficou em R$ 985 milhões, referidos a maio deste ano. O valor restante é relativo a juros bancários cobrados de empréstimos pontes necessários para custeio da obras, enquanto perduravam as longas negociações pelas fontes definitivas de recursos, e a obras do overlay (temporárias para a Copa do Mundo FIFA Brasil 2014). É a Odebrecht quem está financiando o Corinthians para a cobertura desses custos extras e também para o pagamento de obras complementares ao projeto inicial da Arena Corinthians".

A mesma nota fez questão de tirar o de Lula da reta: " Vale ressaltar também que a única participação do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva em todo o processo foi a intenção de que a Arena Corinthians fosse construída na zona leste de São Paulo. Graças à ação de todos os que participaram da viabilização do projeto, as obras geraram 6 mil empregos diretos e 20 mil indiretos. E agora, depois de concluída, a Arena é um fator importante para o desenvolvimento de uma região carente da cidade, criando novos empregos e gerando renda, constituindo-se em verdadeiro legado para a sociedade, o que atende plenamente aos objetivos da lei municipal que possibilita o uso dos CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento)".

Agora que a Odebrecht virou alvo da Lava Jato, o negócio de Lula & Cia é torcer para que suas obras, em outros estádios (Maracanã e Fonte Nova), não acabem rendendo novos escândalos.

Aperto geral



Ligações perigosas?



Quais seriam os pontos mais relevantes da ligação telefônica de 3 min e 42 segundos, ocorrida a partir das 20h 06mim 59seg do dia 20 de junho de 2015, entre o executivo da Odebrecht, Alexandrino Salles de Alencar, e o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estava no Instituto Lula?

Um detalhe importante é que o telefonema foi feito por um tal Moraes, lá no Instituto Lula, que passou a ligação para Lula. Ou seja, está claro na transcrição da escuta da Polícia Federal que o telefonema veio da entidade para o dirigente da Odebrecht.

A curta conversa, na qual Lula foi o mais lacônico que pôde, confirma que havia uma espécie de parceria forte entre o ex-Presidente e a cúpula da Odebrecht. Isto fica patente no encerramento do diálogo, quando Alexandrino menciona: (...) Conversei com Paulo, pra gente conversar esta semana para acertar, pra acertar o posicionamento nosso junto com o de vocês. Tá? Combinado?". 

De bate pronto, Lula encerrou a conversa: "Tá bom, tá bom. Um abraço, meu irmão. Tchau".

Grande dúvida: O tal "Paulo", que faria o "acerto" seria o Paulo Okamoto, presidente do Instituto Lula?

Tirando da reta



Em ato do PT em prol da Educação, ontem à noite, em Brasília, o grande Líder $talinácio desautorizou o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, que ameaçou ir para as ruas “com armas nas mãos” defender o mandato da presidente Dilma Rousseff:

"Quero dedicar esse meu discurso ao companheiro Vagner da CUT, que ontem cometeu uma frase que não queria cometer. Queria dizer para o Vagner que o Plano Nacional de Educação é a grande arma que a CUT tem que usar. Não existe nada mais importante do que a educação para fazer a revolução nesse país
Eu queria dizer para vocês que eu vim de São Paulo pra cá com uma camisa preta. E que eu resolvi nesse ato fazer homenagem ao PT para as pessoas perceberem que nós nunca vamos ter vergonha de sermos do Partido dos Trabalhadores".


Cuidado com a Língua




Haja CUT

Releia a segunda edição de ontem: Quem vai tomar na cut, no tcu, no cunha e na pf?


Alegria e tristeza de sempre

A crise econômica, gerada pelos erros estruturais do Estado Brasileiro, tem duas faces divergentes.

Basta olhar para o retrato real do modelo rentista que leva para o buraco o Brasil Capimunista - um grande cartório de cartéis corruptos, ineficientes e, quase sempre, improdutivos.

Os bancos batem cada vez mais recordes de lucratividade.

Enquanto isso, cresce, assustadoramente o tamanho das dívidas e da inadimplência das pessoas e das empresas.

Lógica maldita

Graças à usura, o lucro fácil compensa a evolução do chamado "crédito podre".

Os juros estratosféricos, que financiam a gastança pública, mas fazem a dívida crescer descontroladamente, junto com a cobrança de tarifas salgadas, fazem crescer ganho semestral conjunto dos quatro maiores bancos do país.

Somados, Itaú, Bradesco, Santander, e BB lucraram R$ 33,8 bilhões.

O número foi 46,5% superior ao registrado nos primeiros seis meses de 2014.

Por outro lado, os débitos bancários das empresas com atraso de mais de 90 dias cresceram 25,5% nos últimos 12 meses.

Subiram de R$ 29,6 bilhões (em junho de 2014) para R$ 37,1 bilhões (em junho de 2015).

Os dados são da Austin Rating e do Banco Central.

Leão faminto

A Super Receita Federal constata que a arrecadação de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Sobre o Lucro Líquido (CSLL) caiu 9,1% em termos reais (descontado o IPCA) no primeiro semestre deste ano em relação a igual período de 2014.

Foram R$ 10,1 bilhões a menos nos cofres públicos só com estes dois tributos.

O Estado perdulário e corrupto, que esfola o empresário e o trabalhador, fica mais endividado e com menos recursos para custear a máquina.

Entubando

A Petrobras assumiu mais um compromisso que impactará seu resultado no terceiro trimestre deste ano: a companhia decidiu incluir débitos tributários no Programa de Parcelamento Especial (REFIS).

Os débitos tributários são relativos ao não recolhimento de Imposto de Renda Retido na Fonte sobre remessas ao exterior referentes aos períodos de 1999 a 2002, 2004, 2005 e 2007 a 2012.

A inclusão desses débitos no REFIS, cujo valor atualizado é de R$ 6 bilhões, permitirá à Petrobras uma economia de 50% no valor do passivo, para R$ 3 bilhões.

Utilizando prejuízos fiscais e a conversão de depósito judicial em pagamento definitivo o impacto negativo no resultado do terceiro trimestre de 2015 será de R$ 2 bilhões, líquido de impostos.

Fausto no Direito e Justiça em Foco



O Desembargador Federal Fausto De Sanctis será o entrevistado do desembargador Laercio Laurelli, neste domingo, às 22 horas, na Rede Gospel.

Abraço de afogado

Do inefável Renato Maurício Prado, em sua coluna em O Globo, uma notinha politicamente importantíssima:

"O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, anda todo pimpão porque foi elogiado pela presidenta Dilma, após a aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal do Futebol. Será que, a essa altura do campeonato, ele ainda acha que elogio dela conta a favor?".

Tranca-ruas



A turma do candomblé vai ficar pt da vida com a piada (de mau gosto) que circula nas redes sociais contra o Prefeito Haddard (o Imperador da Indústria das Multas de Trânsito e legítimo Alcaide tranca-ruas)...

Renan os representa




© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 15 de Agosto de 2015.