terça-feira, 15 de março de 2016

Palácio do Planalto em alerta geral, Dilma convoca reunião de emergência por delação de Delcídio

Palácio do Planalto em alerta geral, Dilma convoca reunião de emergência por delação de Delcídio



Dilma coloca Palácio do Planalto em alerta e convoca reunião de urgência

O homem bomba falou e colocou Dilma em estado de alerta geral, com todas as portas TRANCADAS planalto vai fazer reunião imadiatamente… Atônita, a presidente Dilma Rousseff convocou nesta terça-feira (15) uma reunião de emergência com o núcleo político do governo federal para avaliar o impacto da delação do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), homologada no STF (Supremo Tribunal Federal).
O Palácio do Planalto foi pego de surpresa com a transcrição de gravação entre o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o assessor do senador petista, Eduardo Marzagão, no qual o ex-chefe da Casa Civil oferece ajuda financeira para evitar a delação premiada.
Segundo relatos de assessores e ministros, a presidente ficou sem reação e sem dimensão de como a gravação pode atingir o governo dela. A primeira avaliação é que a situação de Mercadante é “muito delicada” e há o receio até mesmo de que ele seja preso.
Para auxiliares da petistas, a gravação enfraquece discurso defendido pela presidente, desde o início da Operação Lava Jato, de que o governo federal não interfere nas investigações da Polícia Federal.
Eles consideram ainda que será necessário encontrar uma nova narrativa para explicar a gravação, uma vez que é impossível dissociar o ministro da presidente pela relação pessoal dos dois.
O Palácio do Planalto avalia ainda que, com o impacto da gravação, deve ficar suspensa pelo menos por enquanto a possibilidade da entrada do ex-presidenteLuiz Inácio Lula da Silva na Esplanada dos Ministérios.
A preocupação é também que a delação premiada acelere o desembarque do PMDB do governo federal.
A ofensiva de Mercadante foi relatada por Delcídio no quinto termo de depoimento de sua colaboração premiada, homologada nesta terça-feira (15), ao qual a Folha teve acesso.
A informação foi antecipada pela revista “Veja”.
“Aloizio Mercadante, em tais oportunidades, disse a Eduardo Marzagão [assessor de Delcídio] para o depoente ter calma e avaliar muito bem a conduta a tomar”, diz o depoimento do senador.
“A mensagem de Aloizio Mercadante, a bem da verdade, era no sentido do depoente não procurar o Ministério Público Federal para, assim, ser viabilizado o aprofundamento das investigações da Lava Jato”, completou.