domingo, 6 de março de 2016

Cabeça da Jararaca pronta para corte histórico

Cabeça da Jararaca pronta para corte histórico


Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

As grandes empreiteiras vão investir R$ 15 milhões de pixulecos ou acarajés para financiar a logística de manifestações messiânicas da petelândia em defesa do mito destroçado Luiz Inácio Lula da Silva. A informação vazou e já é alvo de investigação pela Polícia Federal. Um pente fino nos 10 conteineres de mudanças de Lula, nos quais a OAS bancou R$ 1,3 milhão, devem incriminar Lula, com grande chance de ser indiciado, processado e até preso de verdade, mesmo antes de ser judiciariamente condenado.

A condução coercitiva para prestar depoimento na operação Aletheia revelou a inteira verdade sobre Lula: hoje ele é o político mais desmoralizado do mundo. Só perde em volume de piadas nas redes sociais para sua sucessora Dilma Rousseff. Ambos foram destruídos simbolicamente. Lula só é o "guerreiro do povo brasileiro" para a militância profissionalizada do PT. Os cardeais históricos do partido não estão com ele. Ontem, nenhum deles apareceu para defendê-lo.

Fim de papo. A Lava Jato já pegou Lula. Tem tudo para pegar Dilma, também. A próxima presidência do Supremo Tribunal Federal, sob a toga de Carmem Lúcia, fará um serviço mais completo que o feito nos tempos do julgamento do Mensalão, comandado pela teoria do domínio do fato de Joaquim Barbosa. Agora, os fatos contarão com o domínio de provas robustas para "cortar a cabeça da jararaca".

Delações premiadas como a de Delcídio Amaral e de outros menos votados têm elementos suficientes para detonar a organização criminosa ainda hegemônica na política de Bruzundanga. A deduragem premiada do ex-deputado federal Pedro Corrêa, já condenado no Mensalão e preso na Lava Jato, tende a descrever, com detalhes, como Lula teve envolvimento direto no comando do Petrolão.

Dilma também vai se ferrar. As provas contra o marketeiro João Santana já são suficientes para o Tribunal Superior Eleitoral detonar a chapa Dilma-Michel Temer. Se a dona da agência Pepper Interativa, Danielle Fonteles, fechar um acordo de colaboração premiada, Dilma vai para o saco mais depressa.

Neste sabadão, Dilma viajará até a casa de Lula, em São Bernardo do Campo, para fingir sua solidariedade a Lula - de quem gostaria de se ver livre (e vice-versa). O problema é que um não tem como se descolar do outro. Azar deles e mais ainda do Brasil. Até o PT, depois da Aletheia, ficou forçado a se reaproximar de Dilma, e vice-versa. O ato será fatal para ambos os lados.

Ontem, o maior interessado na queda Dilma (se não cair antes junto com ela), o vice-Presidente Michel Temer fez uma reflexão sociológico-política que merece ser levada em alta conta pela petelândia. O maçom adormecido Temer observou: “A cada 25, 30 anos, há um refluxo, quase um fatalismo histórico, um fluxo e refluxo institucional, começam a aparecer crises que demandam novas providências do povo brasileiro”.

Ou seja, Temer reconhece, mesmo sem ser tão direto e objetivo, que a revolução brasileira, tocada pelos cidadãos, está em andamento. Pelo que Temer advertiu, a tese da inédita Intervenção Cívica Constitucional nunca esteve tão viva e viável. A onça, com ajuda de milhões de macaquitos, conscientes ou não, nunca esteve tão próxima de beber água novamente. A diferença é que, desta vez, será com canudinho. Porque o rio está cheio de piranhas, jacarés e outros vermes menos ou mais votados.

Se a petelândia cumprir a ameaça de radicalizar e partir para a ignorância e violência, a jararaca deve ficar prontinha para ter a cabeça arrancada pela onça e a bicharada que vem com ela para lavar o Brasil a jato.

Diz a lenda da selva que Urutu Cruzeiro adora comer Jararaca viva... Assim, como bem canta o pagode, a Jararaca que deita e rola depois que mataram a Jibóia deve ficar mais esperta que nunca...

Releia a segunda edição de ontem: Lula se define como "jararaca que está viva como sempre esteve", posa de vítima e conclama PT para guerra


Sem condição

Será que o companheiro $talinácio, um mitomaníaco profissional, teria condições de repetir hoje essa declaração do General-Presidente Emílio Garrastazu Médico, em 13 de novembro de 1969:

"Não uso critérios políticos ou regionalistas, não pago dívidas eleitorais que não precisei contrair, não tenho a vocação do favoritismo e da cortesia no exercício de meu dever e me declaro incompetente na mecânica da composição, do conchavo, da barganha. Compromisso, só os tenho com a minha consciência e com o futuro de meu país".

Alguma hora acaba caindo



Ovacionado



Previsível



Te cuida, Rose!



Pixuleco em ação