domingo, 7 de fevereiro de 2016

AG FECHA ACORDO DE DELAÇÃO PREMIADA. CAEM A CASA, OS ESTÁDIOS E EM BREVE DILMA E LULA



AG FECHA ACORDO DE DELAÇÃO PREMIADA. 
CAEM A CASA, OS ESTÁDIOS E EM BREVE DILMA E LULA
Presidente da empresa, Otávio Azevedo foi solto. Delação vai de superfaturamento em estádios da Copa até mesmo a lei que Lula criou para fusão de Telemar e Oi.
A casa caiu. Otávio Azevedo, Presidente da Andrade Gutierrez, envolvido diretamente no cartel de empreiteiraas da Lava-Jato e verdadeiro homem-bomba, não aguentou a pressão. Azevedo contou tudo que sabe. E tudo é tudo mesmo: vai desde superfaturamento nos estádios da Copa do Mundo, passando por "pedidos de doação" para as campanhas de Lula e Dilma e culminando até mesmo em informações sobre a negociação que culminou com a fusão entre Telemar a Brasil Telecom, feita após edição de MP específica criada por Lula para driblar a legislação então existente.
Azevedo já deixou a cadeia e está andando de tornozeleira eletrônica. Para se tornar definitiva, a delação precisa passar pelo crivo do Ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal.
O executivo pôs o dedo na ferida e deu nome aos bois. Citou o assessor especial de Dilma, Gilles Azevedo, homem da mais estreita confiança da Presidente, como alguém que soliticou dinheiro para a campanha. Também envolveu diretamente Edinho Silva, ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência. Segundo Azevedo, ele foi vítima de chantagem explícita de ambos na eleição de 2014: ou doava mais e parava de apoiar Aécio Neves ou então perderia contratos no governo federal. O rombo não para aí.
O que todo mundo desconfiava veio à tona. Os estádios da Copa do Mundo foram superfaturados. Entre as obras que a AG participou estão os estádios Beira-Rio, em Porto Alegre, Mané Garrincha, em Brasília e a Arena da Amazônia em Manaus, além da reforma do Maracanã no Rio de Janeiro.
Tem mais: Azevedo afirma que Lula teria pressionado a Telemar (rebatizada de Oi) para comprar a Gamecorp, empresa de video-games praticamente de fundo de quintal que seu filho, Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, criou. A Telemar comprou e pagou bem: R$ 5 milhões de reais. Em troca veio a MP que possibilitou a fusão.
O carnaval não poderia ser pior para Dilma e Lula.
Aparentemente o fim se aproxima.