domingo, 10 de abril de 2016

Americanos de olho na Lava Jato. Moro é aplaudido de pé em Chicago



Americanos de olho na Lava Jato. Moro é aplaudido de pé em Chicago
sérgio moro
ADVERTISEMENT
O juiz federal Sérgio Moro aplaudido de pé em Chicago, Estado Unidos, ao fazer uma palestra sobre as investigações sobre corrupção que comanda no Brasil.
Moro afirmou na noite desta sexta-feira (8) que as investigações da Lava Jato provocam “inegavelmente instabilidade política”, mas que a corrupção sistêmica no Brasil deve ser enfrentada e não escondida debaixo do tapete.
“O juiz decide com base nas leis, com base nos fatos. Eu não posso ficar pensando no impacto político daquilo que decido”, afirmou o titular da 13ª da Vara Federal de Curitiba, durante palestra realizada para estudantes em Chicago.
Sem se referir a nomes de envolvidos nos processos, Moro voltou a afirmar que o pagamento de propinas em contratos da Petrobras era “a regra do jogo”, como foi dito a ele por diversos delatores do esquema de corrupção. “O pior de um quadro de corrupção sistêmica não é o custo econômico e sim a progressiva erosão da confiança da população na regra da lei e na democracia.” Ele acrescentou que “assusta” a corrupção disseminada no Brasil.
“As instituições democráticas estão funcionando bem no Brasil, é o que eu vejo com as manifestações de ruas, que são pacíficas. Nós temos um problema econômico muito sério, preocupante. Eu acho que o importante é termos a confiança de que nossas instituições estão melhores, que nossa democracia seja aprofundada e que deixe de estar contaminada pela corrupção sistêmica”, afirmou o juiz.
Moro voltou a falar da Operação Mãos Limpas ao mencionar as críticas feitas às investigações da Lava Jato. “O grande problema da operação na Itália foi a reação política, a democracia italiana não foi forte suficiente para evitar a desconstrução da investigação.”
“Eu não acerto todas, eu posso cometer meus erros. Mas sempre decido com a pretensão de correição das decisões, com base na lei. Eu não posso levar em conta questões políticas, questões partidárias”, acrescentou o juiz, que foi ovacionado e aplaudido de pé pelo público presente.