segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Este ano, no mundo, em cada três novos desempregados, um será brasileiro

Este ano, no mundo, em cada três novos desempregados, um será brasileiro

24.01.2016 02:44
Este ano, no mundo, em cada três novos desempregados, um será brasileiro. 23654.jpeg
GENEBRA/SUIÇA - A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que 700 mil brasileiros perderão seus empregos este ano. Mesmo o Brasil sendo um País governado pelo Partido dos Trabalhadores, cujo líder é Luiz Inácio Lula da Silva, um em cada três novos desempregados ao redor do mundo será um brasileiro. Então, pelas previsões da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o governo petista terá sido um fracasso nacional e seu programa de 'governo salvador da pátria' desaparecido ralo abaixo.
Por ANTONIO CARLOS LACERDA

Este ano, o Brasil registrará o maior salto na taxa de desemprego entre as grandes economias mundiais, com 700 mil brasileiros perdendo o emprego. Tudo isso, somados aos mais de 1,5 milhões que perderam o emprego em 2015.
Os 700 mil brasileiros que devem perder o emprego este ano de 2016 são dados publicados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), que, em seu informe anual, aponta para o aumento do desemprego no país para 7,7% e alerta que a crise econômica levará a uma "queda severa" no mercado de trabalho.
Este ano, no mundo, o Brasil será responsável por um a cada três novos desempregados. No total, 2,3 milhões de postos de trabalho serão destruídos no mundo. Desses, 700 mil no Brasil. O mercado brasileiro ainda responderá por mais de um terço de todo o desemprego latino-americano.
Em comparação a 2014, serão 1,2 milhão de novos desempregados no Brasil. Essa é a maior elevação do desemprego entre as grandes economias.
Segundo a OIT, o Brasil "entra numa recessão severa" e nem mesmo as políticas sociais e de promoção de empregos implementadas nos últimos anos serão suficientes para frear o desemprego.
A taxa de desemprego passou de 6,8% em 2014 para 7,2% em 2015 e deve atingir 7,7% ao final de 2016. Para a OIT, essa é uma "alta significativa". Em números absolutos, a alta é de 7,7 milhões de desempregados no ano passado para 8,4 milhões de pessoas em 2016.